A Biomimética no Design – leonardosanttos.com

A Biomimética no Design

Leonardo Santtos

 

Você já ouviu falar em biomimética?

Assim como a Gestalt, Semiótica e outros estudos, a Biomimética é fundamental para o Design e você já teve bastante contato com ela, mesmo que sem conhecê-la. Saiba sobre as potenciais mudanças que essa ciência traz e as soluções inovadoras e impactantes que moldam o futuro do Design.

A ciência inspirada na natureza, ou melhor o design inspirado na natureza

O princípio da biomimética é utilizar a natureza como um exemplo e fonte de inspiração, estuda os princípios criativos e estratégias da natureza, visando a criação de soluções para os problemas atuais da humanidade, unindo funcionalidade, estética e sustentabilidade. Em uma tradução literal, Biomimética significa imitar a vida. E tem sido usada em diversos ramos.

Há bastante tempo, o Designer tem se relacionado com a natureza, apropriando-se de materiais, formas, cores e funções. Isso acabou gerando inconsequências, por falta, às vezes, de uma preocupação com a sustentabilidade.

Hoje isso mudou bastante, o Designer deve buscar uma forma mais otimizada possível de utilização dos recursos naturais. A Biomimética é uma das principais ferramentas para isso. A partir dela, a natureza é uma base de inspiração, idealização e melhoramento.

Lavoisier, “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.”

Nós temos bastante problemas/necessidades em comum com os demais seres vivos e na maioria das vezes, eles próprios criam suas soluções. Inspirar-se nas soluções da natureza, imitar suas perfeições é a maior forma de desenvolvimento tecnológico, onde tudo se baseia. “Essa respeitosa imitação é uma abordagem totalmente nova.

Diferentemente da Revolução Industrial, a Revolução Biomimética inaugura uma era cujas bases assentam não naquilo que podemos extrair da natureza, mas no que podemos aprender com ela”, afirma Janine M. Benyus, escritora científica, em seu livro Biomimética: Inovação Inspirada pela Natureza.

Isso não se aplica apenas ao Design de produto, mas muito no Design Gráfico, Moda, entre outros. Unindo a estética, sustentabilidade e baixo custos, presenciamos um comportamento novo, preocupado com o futuro, propondo novos rumos à tecnologia.

Eu realmente desejo que você compreenda a importância de tudo isso. A humanidade já desenvolveu tecnologias altamente eficazes e inovadoras, mas nada perto do universo. Esse sempre foi um desafio histórico. E perante aos rumos da sociedade e a degradação do planeta, temos na Biomimetica, uma abordagem de respeito e integração com a natureza para uma renovação das vertentes tecnológicas.

“Acho que as maiores inovações do século 21 serão na intersecção da biologia e da tecnologia. Uma nova era está começando.”

Steve Jobs

Proporção áurea, o número de ouro

O número de ouro, ou Golden Ratio, amplamente conhecido entre artistas e designers, busca representar a perfeição, a proporção bela, incrível e matematicamente encontrada na natureza. Foi a partir das observações desta, desde à antiguidade, que foi descoberta a dinâmica de organização dos objetos na natureza através da sequência de Fibonacci e do número Phi – 1,618.

Pitágoras tinha certeza que a natureza também era lógica, assim como a matemática, e conseguiu achar uma sequência lógica que abrange infinidade de elementos na natureza. A proporção áurea é então um dos maiores exemplos da aplicação da biomimética no design, na arte, na arquitetura, etc.

O velcro foi inspirado numa semente de planta

Enquanto passeava pelos Alpes Suíços com seu cão, em 1941, o engenheiro Georges de Mestral, criador do velcro, notou que pequenas sementes de uma planta, conhecida como bardana, ficavam presas nos pelos do cachorro e nas roupas que ele mesmo usava.

Ao chegar em casa, Georges decidiu dar uma olhada nas sementes usando um microscópio. Ele notou que os filamentos da planta eram parecidos com pequenos ganchos, que se agarravam a pelos e tecidos. A partir do que tinha descoberto, o engenheiro suíço pensou em um produto que fosse aderente o suficiente para ser usado como fecho, mas que pudesse se desprender facilmente. Em 1951, Georges registrou o pedido de patente, concedido quatro anos depois.

A natureza é mesmo inspiradora e sem dúvidas nossa maior fonte de recursos e aprendizagem. Aprender sobre seus ciclos, comportamento e funcionamento vai fornecer um outro nível de visão para nossa criatividade.