7 principios da psicologia no design – leonardosanttos.com

7 principios da psicologia no design

Leonardo Santtos

 

Sabe uma das coisas mais interessantes de ser designer? Observar o comportamento das pessoas, afinal projetamos pra elas. E ao ter em mente esse propósito, é fundamental entender o que e como desperta ações e reações psicológicas no usuário.

Ao entender os princípios básicos da psicologia que estão estritamente ligadas ao design, passamos a projetar melhor experiências e conseguimos otimizar a jornada do usuário fazendo com que nosso objetivo seja validado. Para aplicar no design em geral, segue uma lista com sete princípios que te ajudarão a desenvolver projetos com ainda mais fundamentos a partir de agora.

1 – Regra do final de pico

define que as pessoas julgam uma experiência baseada em como se sentiram no auge e no final.
isso diz muito a respeito de elementos em sequência como a distribuição do design na página, onde o topo e o final devem ser especialmente pensados.

2 – Psicologia das formas

Nosso subconsciente vê coisas que afetam nossa percepcão. Assim como as cores, formas influenciam e causam diferentes sentimentos no design.
Quadrados, círculos, e triângulos são formas básicas mas nem sempre tão óbvias. Passa-se uma mensagem que está estritamente ligada ao conceito da peça e desperta sentimentos e sensações.

A Psicologia das Formas de Logotipos! 3

Veja mais da psicologia das formas aqui

3 – Efeito usabilidade-estética

Sugere que as pessoas percebem projetos estéticos muito mais intuitivos do que aqueles considerados menos esteticamente agradáveis. Basicamente, um design bonito, responsivo e atrativo cativa mais e causa impressão de mais fácil de ser entendido.
Então unir estética e usabilidade é o melhor caminho.

4 – Princípios da Gestalt

É uma forma do nosso cérebro perceber e organizar dados captados por ele. Ao visualizar uma composição de imagens, textos e espaços, por exemplo, nossa mente percebe padrões formados por esta composição.

São 7 os princípios da gestalt que definem essas percepções:
Proximidade;

Similaridade;

Continuidade;

Fechamento;

Figura-fundo;

Região comum;

Ponto focal.

5 – Efeito de mera exposição ou Lei de Jakob

Fenômeno em que as pessoas tendem a desenvolver uma preferência por coisas simplesmente porque estão familiarizadas com elas. Isso faz com que usuários gostem mais de padrões de design que pareça familiar, esperando que este funcione exatamente como algum padrão já conhecido.

6 – Lei de Hick

Descreve o tempo que uma pessoa leva para tomar uma decisão com base no número de opções dadas
a ela: aumentar o número de opções vai aumentar o tempo de decisão.
Então definir opções deve ser otimizado para a melhor usabilidade e consequentemente o usuário atingir o objetivo.

7 – Lei de Aversão à perda

Define que o fator decisivo para o usuário é, comumente, aquele que evita perdas mais do que
o que pode gerar ganhos. Se seu projeto oferece algum risco, é mais propenso a ser abandonado do que ter conversões.

Que tal começar a aplicar esses princípios e criar focando no usuário final?